Também conhecido como Transtorno de Personalidade Limítrofe, o Transtorno de Borderline é reconhecida pela instabilidade emocional intensa, pelas mudanças extremas de humor, por comportamentos obsessivos, sentimentos sufocantes de abandono, culpa e raiva. As crises podem envolver episódios de automutilação, tentativas de suicídio, uso de substâncias, violência física e moral contra outras pessoas.

As crises podem se manifestar a qualquer momento, inclusive em momentos que o indivíduo apresenta estar bem. O diagnóstico psiquiátrico é imprescindível pois o transtorno pode gerar enganos de percepção pois se assemelha em sintomas a outros quadros psiquiátricos. No entanto, a força dos sentimentos e a duração das crises são diferentes.

Como já deve se imaginar, o relacionamento interpessoal das pessoas que tem Borderline não é fácil. Para o paciente, é “8 ou 80”, “isso ou aquilo”. Por essa característica, o adulto com Borderline tende a se comportar como um adolescente revoltado que não aceita frustações. Até mesmo a relação paciente-terapeuta se torna desafiante.

Não adianta pedir calma

Se você convive com alguém que tem a síndrome, pedir para a pessoa se acalmar não será suficiente. Portanto, confira algumas dicas para ajudar você manter um relacionamento saudável com o indivíduo.

– Fique atento aos sinais

Com o tempo, você percebe os gatilhos que despertam determinada reação no indivíduo e assim pode evitá-los.

– Seja bem claro nas conversas

Quem tem Borderline tende a distorcer a realidade. Dessa forma, você sendo o mais claro possível, diminuem as chances de a pessoa fantasiar ou criar outra versão do fato.

– Mostre que você este perto e se preocupa

Os indivíduos com a síndrome possuem muito medo de serem rejeitados, por isso tente ser presente (mas de forma que seja saudável para você também). Enfim, mande mensagens perguntando se está tudo bem ou convide para sair.

– Fuja dos ataques de ira

Lembre-se que nos momentos de crise, não é necessariamente pessoal os ataques que receber da pessoa com Borderline. Então, não entre nesse ciclo de violência e chame ajuda caso seja necessário.

Por mais difícil que seja, a Síndrome de Borderline tem tratamento. E além dos medicamentos e terapias, o apoio dos amigos e familiares é muito importante. Incentive a pessoa com Borderline a procurar ajuda, é importante combinar alternativas terapêuticas tais como medicamentos e psicoterapia constante. E, apoiar atividades que ajudem a desenvolver sua maturidade diante dos desafios da vida, para melhorar a qualidade de vida do indivíduo.

Compartilhar: